sábado, 6 de outubro de 2007

O Navio Vazio. (na mente)

Não sei o que procuro,
mas,
definitivamente sei,
está longe de ser um porto-seguro.
Quero o que revolve,
intensifica,
absorve,
quero o que me fragmenta,
reparte-me para que infinitas áreas sejam expostas.
Não posso viver,
dando à loucura inerente do meu ser,
minhas costas.
Vou até o fim do mundo para experenciar,
saber-me polida,
não me faz recuar.
Tantos rostos escuros,
tanta dor em olhos azuis.
Não há clareza.
Falta de certeza.
Muito tempo,
pouco compromisso,
maior pacto de risco.
Mesmo calmo o aconchego foi violentado.
Tantos tiveram tudo em todo.
Mas perderam a direção,
porque o navio partiu.
Vazio.

3 comentários:

Madalena Barranco disse...

Ana, querida, seu blog é um achado! Sua poesia antes indica do que faz perder algo. Legal! Beijos

Edu Rajabally disse...

aninha: esse último texto veio na hora certa pra mim...

bjo grande

p.s.: já voltou?!?!

liceliafornazieri disse...

Oi Ana!!!
ja add em favoritos!!!
bjos!